Millennials


Compartir nota en:

Existem chefes para os millennials?

O estereótipo dos chefes mudou. Os jovens de hoje buscam líderes que sejam capazes de estabelecer uma relação mais próxima com eles, que os impulsionem, sejam flexíveis e os inspirem dentro e fora da empresa.


Os millennials têm marcado um ponto de mudanças de direção com o estereótipo do chefe. Como essa nova relação se sustenta?

Os jovens de hoje, nascidos entre 1981 e 2000, buscam líderes que sejam capazes de estabelecer uma relação de amizade com eles, que os impulsionem, sejam flexíveis e os inspirem dentro e fora da empresa.

Segundo um estudo da Hays - líder mundial em seleção especializada de recursos humanos - se estima que 48% dos jovens desta geração procure formar sua própria empresa ou empreendimento com ajuda da experiência adquirida em seu local de trabalho, para então se tornar independente e competir inclusive com seus chefes anteriores.

Este panorama, que para alguns pode parecer desanimador, é onde se está investindo - sobretudo no setor tecnológico. São empresas que apostam nos millennials e consideram que esta camada de jovens carrega consigo a maior disposição do mundo.

Os fundadores da Nuvem Shop, plataforma que oferece soluções de e-commerce, são um exemplo perfeito. Os cinco beiram os 30 anos e estimulam como esquema de trabalho o que em outras empresas é oferecido como benefício: não cumprem horários fixos e o home-office é uma escolha de cada empregado. “Todos podem produzir de casa quando quiserem e cada um escolhe a que horas chegar ao trabalho. No geral entram por volta das 9, mas não é fixo", afirma José Abuchaem, CMO e CoFundador da Nuvem Shop. Abuchaem dizainda que os 72 funcionários da companhia são millennials.

Ao aprofundar o rol do"chefe", Abuchaem analisa que “o difícil, ou fácil, de ser chefe (como quase todos) está muitas vezes baseado em uma questão de oferta, demanda e alternativas. A globalização trouxe consigo a possibilidade de trabalhar, inclusive de outros países ou mesmo em viagem, para um grande número de pessoas. Isso faz com que a demanda de funcionários aumente, uma vez que existem mais empresas buscando profissionais no Brasil. Aumentando a demanda de funcionários, o "valor" destes sobe. Isso não só faz com que o salário aumente, como também que surjam outras formas de compensação, como a flexibilidade de horários, trabalhar de onde preferem ou mesmo rodeados de pessoas de altíssimo nível, com possibilidade de crescimento e apoio emocional do empregador, entre outros”.

Analisando o recrutamento, a questão também se torna desafiante. Nicolás Loreti - CFO & Manager de Data & Talent da Nuvem Shop descreve que “hoje o perfil mais complicado para recrutar é aquele que tem uma formação técnica em tecnologia e engenharia, já que o mercado está avançando mais rápido do que a formação dos profissionais nestas matérias".

Para os millennials, ter um  feedback constante é fundamental. Pela estatística da Hays, também se percebe que esta geração busca alguém que os inspire, que possam admirar e confiar. Pode-se dizer que o "chefe ideal" se traduz como um mentor, alguém em quem possam identificar suas fortalezas e impulsionar sua carreira e crescimento pessoal.

Abuchaem reforça que “ser chefe hoje, seguramente, se torna mais gratificante, já que agora o vínculo entre empregado e empregador está mais forte do que nunca".

Manter os millennials: está é a questão

O que ocorre com as gerações mais jovens não finda apenas em recrutá-los e se manter perto, inspirando-os, pois isto pode se tornar complexo.

"Para manter estes profissionais tentamos ser muito meritocráticos, valorizando o esforço e os resultados que eles obtêm e compensando estes com maior responsabilidade e salário a medida que evoluem. Tentamos oferecê-los 3 aspectos que consideramos fundamentais: autonomia para se sentirem donos de seus próprio trabalho, propósito para que entendam a importância de tudo o que produzem no dia a dia, e por último, o desenvolvimento", detalha o empresário-millennial.

E conclui: "para nós é fundamental manter um diálogo constante com cada um dos nossos colaboradores, onde abordamos temas muito pessoais para poder preveni-los de possíveis problemas de motivação. Nós apostamos em acompanhá-los em seu crescimento profissional e pessoal e realmente nos sentimos enriquecidos e motivados com toda essa evolução que nos cerca".

 

TOP